quarta-feira, 12 de abril de 2017

Documentos sugerem que conteúdo de delação vazou a Flávio Dino

Por gilbertoleda - Dois documentos utilizados pelo governador Flávio Dino (PCdoB) e por seus aliados para contestar a delação de um ex-executivo da Odebrecht – que acusa o comunista de ter recebido R$ 400 mil em propina para apoiar projeto de interesse da empresa (reveja) – sugerem que o conteúdo da delação, tornado público apenas ontem (11), vazou ao comunista, ou a pessoas próximas dele, com quase um mês de antecedência.

Os documentos são uma certidão da Secretaria-Executiva da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados e uma consulta realizada na internet.

No primeiro caso, a secretária-executiva da CCJ, Alexandra Zaban Bittencourt, atesta que “o governador e ex-deputado Flávio Dino não apresentou Parecer ou qualquer outra manifestação escrita ao Projeto de Lei 2.279/2007  no âmbito da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania”.

No segundo, alguém pesquisou na internet quem eram os autores do tal projeto, como forma de mostrar que Dino – embora designado seu relator – não participara do nascimento da proposta.

A consulta na rede mundial de computadores foi feita no dia 16 de março. A certidão da CCJ é do 17 de março. A delação que implica Flávio Dino só foi conhecida no dia 11 de abril.

Por que alguém pediria quase um mês antes uma certidão desse tipo? E por que pesquisar sobre um projeto citado em delação que estava sob sigilo e que só se tornaria público quase um mês depois?

POST CORRELATO:
Flávio Dino tenta se defender de modo antecipado