terça-feira, 4 de outubro de 2016

Andrea Murad acusa abuso de poder econômico e político por parte de Flávio Dino

Foto/Divulgação
Por ANDREA MURAD - Primeiro, quero agradecer a Deus e a todos que nos apoiaram nessa grande jornada de trabalho que minha mãe, a prefeita Teresa Murad, ao lado do meu pai, Ricardo Murad, realizaram em Coroatá, cercados de uma das equipes mais competentes que já vi agir no município, comprometida com a gestão pública de qualidade, reflexo do padrão de trabalho de Ricardo Murad. E isso facilmente pudemos ver em toda Coroatá, na qualidade dos serviços prestados pela prefeitura durante a gestão de Teresa e Ricardo Murad.

Infelizmente, de forma injusta e desigual, fomos vítimas do forte abuso de poder econômico e político promovido pelo governador Flávio Dino, que se aproveitou da estrutura do estado para reverter os votos de uma candidata que trabalha de verdade para um candidato que não tem qualquer experiência em administrar uma prefeitura como essa, com tudo que hoje ali existe, com a qualidade que possui, além de ser filho de um condenado a desviar recursos públicos dessa mesma prefeitura e que hoje está impedido de concorrer a qualquer cargo público.

Flávio Dino com toda a sua força policial, política, financeira, abusiva, que amedrontou os coroataenses e elegeu na marra, repito, às custas da força, como fez em muitos outros municípios do Maranhão, mas em nenhum outro comparável ao que ele praticou em Coroatá. Ali seria uma questão de honra para o governador. Porque de Coroatá brilha um verdadeiro estadista e político em que ele jamais alcançará as mesmas qualidades de Ricardo Murad.

O resultado da eleição foi contrário a todas as pesquisas feitas, o que justifica mais ainda a ação brutal e a vontade desenfreada de um governador psicopata que só trabalha para perseguir as pessoas. Aceitar com resignação a vontade das urnas, é virtude de um grande político, mas combater os abusos que foram praticados às vésperas do dia 2 de outubro, é atributo de um político maior ainda que defende seu povo das mentiras de um governo fraudulento e usurpador de prefeituras. Portanto, iremos até o fim contra a maior fraude já vista na história do Maranhão.

Nem o eleitorado do Amovelar merecia um futuro tão desastroso como o que está reservado aos coroataenses nas mãos de um grupo que tanto mal fez para o município. Tal investida do governo comunista em Coroatá, não foi praticada a nenhum outro lugar do Maranhão. Nem mesmo nos grandes colégios eleitorais do estado se percebeu tantos abusos de Flávio Dino como Coroatá. Sem medo de errar, digo com toda clareza, acham que tirar Ricardo e Teresa de Coroatá é a única maneira de tentar apagar todos os grandes feitos por eles no município. Hospital de Alta Complexidade, Upa, Central de videomonitoramento, internet grátis, centro de reabilitação, academia de saúde, praça José Sarney, sede da prefeitura, estradas, escolas de qualidade, enfim, incontáveis as obras e ações que em nenhuma outra cidade se fez tanto. Flávio Dino não soube enfrentar as urnas com honra porque é um político medíocre e covarde, que teme o futuro embate que lhe aguarda em 2018.

Mas o povo não esquecerá de como Teresa Murad está deixando a administração da sua querida cidade. Sei que a grande maioria reconhece todo o trabalho e esforço que Ricardo e Teresa fizeram por Coroatá, onde seus moradores não merecem a incompetência de um Luis e a perversidade de um governador que usou toda a estrutura do Estado para fraudar a eleição no município. O que Ricardo Murad faz é o que Flávio Dino não sabe fazer, que é administrar. Cresci assistindo vitórias e derrotas. A política é assim. E graças a Deus o meu pai tem uma luz que poucos políticos possui, o poder de se agigantar em momentos como esse. Fico triste por ver a tristeza de nossa gente e pela falsa alegria que outros experimentaram, mas que logo terão seus olhos abertos pela verdade.

Continuarei transbordante de orgulho da minha mãe, Teresa Murad, que deixou seu convívio diário com sua família, que deixou de presenciar o crescimento de seus netos, para se dedicar com muito amor ao trabalho em Coroatá. Muitas vezes, injustamente atacada por tentar ter o mínimo de convivência com sua família. E este ano, mais uma vez, estava disposta a se dedicar mais ainda pela sua gente, pela cidade que é o seu berço, dos seus pais, onde sempre disse que não podia abandonar, embora se sentisse cansada de viver longe da família.

Da mesma forma digo de meu pai, que passou os primeiros anos longe de Coroatá para se dedicar ao governo como secretário de estado da saúde, onde revolucionou a rede de assistência não apenas pensando em sua região, mas no Maranhão inteiro. Ele que enfrentou problemas de saúde, passou por uma cirurgia seríssima que o deixou alguns meses em recuperação para que pudesse lutar ao lado dos coroataenses esta batalha. É um valente, guerreiro, mesmo sozinho, atacado de todos os lados, coordenou esta campanha que, com todas as perseguições , ainda assim, saiu mais que vencedor. Maior é aquele que luta com armas justas, diferente de Flávio Dino, que apoiou fortemente uma eleição fraudulenta, basta ver a polícia política que invadiu Coroatá, sob a proteção de uma juíza e promotora que mais pareciam funcionárias do governo.

Quanto a mim, deputada Andrea Murad, estarei firme e atuante como sempre estive na Assembleia Legislativa, mais empenhada que nunca em desmascarar este governo fraudulento que se sustenta nos sonhos de nosso povo enquanto oferta ações maquiadas e que não se sustentarão por muito tempo. Enquanto isso, eu, Ricardo e todas as lideranças políticas que nunca irão compactuar com o jogo sujo de Flávio Dino, estaremos a postos, na forte e firme oposição de sempre, com nossas convicções imutáveis, sempre em defesa dos maranhenses que nunca nos verão sossegados diante das injustiças praticadas por este governador. Seja como deputados, como prefeitos, como governadores, em qual cargo estivermos, estaremos porque vivemos a política com amor, dedicação, compromisso, verdade e com a justiça ao nosso favor. Só assim, viveremos a paz que o Maranhão tanto almeja.