sexta-feira, 13 de maio de 2016

Estancar a crise econômica, primeira obrigação de Temer

Por RICRADO MURAD - Não haverá tempo para lua de mel como todos os novos governos sempre tiveram da população. Hoje temos uma economia em ruínas, com o mercado exigindo medidas para estancar a sangria e iniciar a recuperação. Temos mais de uma dezena de milhões de desempregados que estão aflitos pela retomado do emprego. Temos um novo Governo e um Congresso fragilizados por diversas ações no STF e na Justiça que envolvem a maioria dos seus membros, uma classe política viciada e fragmentada que continua pensando em cargos, espaços no governo e cada um na sua reeleição começando pelas eleições municipais onde cada partido tem seus prefeitos e vereadores para eleger. E temos uma opinião pública, sem mais nenhuma paciência, que quer resultados imediatos.

Esse é o quadro que Temer enfrenta a partir de hoje. Como eu disse em várias ocasiões anteriores, ele deveria propor a convocação de uma Constituinte para fazer aquilo que é o maior dos nossos desafios: a reforma política. Sem ela, tudo ficará mais difícil. Não se resolverá o problema econômico, que é o crucial, sem o equacionamento da crise política que esse Congresso apodrecido não fará.

O primeiro passo foi dado, saiu um governo que não tinha mais nenhuma condição de governar e temos agora um novo governo que tem a obrigação de fazer diferente para tirar o país da situação falimentar em que se encontra.
Conheça o Centro de Estética, Fisioterapia e Nutrição AQUI