sexta-feira, 4 de março de 2016

"Espero que a Justiça siga seus trâmites, sem excessos ou outras tentações", comentou Andrea

Imagem: Reprodução/Facebook Dep. A. Myrad
Por ANDREA MURAD - Acompanhando a cobertura nacional e internacional desde as primeiras horas do dia, com intensa repercussão no Jornal Nacional que acabo de assistir, eu não poderia deixar de opinar sobre o episódio envolvendo Lula. Pelo respeito que merece um antigo presidente, eleito por soberana e expressa vontade popular, confesso que não gostei de assistir à mediática condução do ex-presidente Lula pela Polícia Federal a depôr, já que o mesmo tinha se colocado à disposição da justiça para prestar qualquer esclarecimento, portanto não precisava do circo.

Não estou defendendo o Lula. Acredito e defendo convictamente no Estado de Direito e como tal defendo a presunção de inocência de qualquer cidadão até a Justiça o condenar, seja ele quem for. Espero que a Justiça siga seus trâmites, sem excessos ou outras tentações de fazer mais do que julgar. A Justiça se faz em sede própria, não em praça pública.

Neste momento, o Brasil precisa de serenidade, precisa que os brasileiros saibam enfrentar com coragem, determinação, mas também com bom senso essa crise. Crise esta que é mais do que uma crise econômica, é política e está desestabilizando uma nação inteira. Crise tal qual outras que já vivemos, mas estou certa que será também vencida - apesar da desastrada governabilidade da presidente Dilma nos últimos tempos.