quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

MPE exige leitos de UTI infantil em Imperatriz. E em Coroatá, UPA e Macro pedem socorro

O Ministério Público do Maranhão propôs Ação Civil Pública, no dia 25, contra o município de Imperatriz, devido à metade dos leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) infantil do Hospital Municipal, mais conhecido como Socorrinho, estarem fora de funcionamento há mais de um mês. As Promotorias de Justiça de Defesa da Saúde e da Infância e Juventude pedem à Justiça que obrigue o Poder Executivo municipal a regularizar a oferta de UTIs, no prazo de 20 dias, sob pena de multa diária de R$ 20,00.

Bom seria se o Ministério Público investigasse as denúncias de toda ordem sobre a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Coroatá. Na unidade chegam denúncias de falta de medicamentos, de pouca higienização e até de fornecimento de "água de torneira" para consumo pelos pacientes e acompanhantes, sem falar na quebra do padrão de qualidade no atendimento médico. Saiba mais: AQUIAQUIAQUIAQUIAQUI AQUI

IMPERATRIZ - Foi realizada inspeção no hospital, atestando que cinco dos dez leitos do Socorrinho estão inativos. Os leitos de UTI estão sem funcionamento em virtude da falta de equipamentos, bem como por ausência de manutenção adequada.

Além da ACP, foi expedido Recomendação ao Município para providências sobre imediato retorno dos leitos inativos da UTI Infantil. O Socorrinho é o único estabelecimento de Imperatriz que possui UTI's especiais para crianças de até 12 anos, usuárias do Sistema Único de Saúde (SUS). Com informações da Asscom/MPMA