sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Prefeita de Coroatá divulga nota sobre crise financeira

   Foto/Divulgação - Asscom PMC
NOTA OFICIAL

Me dirijo hoje a todos vocês para falar da difícil situação que estamos passando por causa da crise econômica e política que o nosso país enfrenta.

As prefeituras de todo o Brasil e os governos estaduais, inclusive os mais ricos, estão à beira da insolvência com a queda da atividade econômica cada dia mais forte que provoca redução enorme na arrecadação. Aqui em Coroatá, vocês são testemunhas do meu esforço, resistimos o quanto podemos. A nossa responsabilidade com a aplicação dos recursos do município possibilitou atravessarmos todo o ano de 2015 sem sentir os efeitos da crise. Mas com o agravamento da situação e a projeção de que no ano de 2016 teremos talvez uma crise ainda mais forte, não resta outra alternativa que adotar medidas para proteger e garantir o funcionamento da administração municipal.

Realizamos um estudo minucioso do quadro econômico para definir o quanto a Prefeitura pode gastar e os cortes que precisarão ser feitos para proteger os mais pobres e resguardar os serviços essenciais. O importante nesse grave momento pelo qual passa o nosso país é que todos tenhamos um mesmo e único objetivo para que não se instale, meio a essa crise, "um salve-se quem puder". Precisamos da contribuição de todos para que Coroatá não fique igual a milhares de municípios que simplesmente perderam a capacidade de pagar seus funcionários e de prestar os serviços essenciais à população.

Desde que assumi a prefeitura, naquela situação de catástrofe e destruição, venho mantendo todos os compromissos que fiz a vocês durante as eleições. Como prefeita e líder da administração, focamos em medidas que se resumem a um ponto central: não podemos gastar mais do que temos e será preciso cortar gastos para preservar o que é essencial. Não serão cortes improvisados como também não serão definitivos, apenas enquanto durar a crise que esperamos findar no próximo ano, quando o país deverá voltar a crescer.

O desajuste no orçamento municipal, provocado pela queda de arrecadação é tão grande e crescente , que é imperativo um acordo com os credores e prestadores de serviços do município. A única saída para diminuir as perdas é a negociação em torno de uma proposta que se fundamenta na necessidade de se atravessar o ano de 2016 com o menor custo possível, sabendo-se que todos terão que dar a sua parcela de contribuição, preservando assim o essencial. O mais grave dessa crise que o Brasil atravessa é que ela chega aos municípios sem que nada possamos fazer. O desajuste vem de cima e de forma implacável atinge principalmente os mais fracos.

Escolhi cortar tudo o que menos atinge os mais pobres, preservando o emprego e o salário pago em dia dos nossos funcionários. Para isso, determinamos as seguintes medidas que entrarão em vigor a partir de 1º de janeiro de 2016:

- horário corrido das 7 horas às 13 horas para o funcionamento da Prefeitura, excluídos os serviços essenciais e de natureza especial;
- redução nos gastos com energia elétrica e telefone nos contratos de prestação de serviços e de fornecimento de materiais e bens de consumo num percentual máximo de 20% durante o ano de 2016;
- Proibição de novas contratações de pessoal a não ser em casos excepcionais para preenchimento de funções essenciais por vaga aberta mesmo para os cargos de provimento comissionados;
- Suspensão de todos os gastos não essenciais ficando proibido apoios, patrocínios e participação em eventos culturais e esportivos enquanto durarem os efeitos da crise;

Todas essas medidas e outras que serão anunciadas oportunamente visam garantir uma travessia segura por todo o ano de 2016, mantendo o nosso município numa situação de equilíbrio, preservando o emprego, o salário e a capacidade de pagar em dia suas obrigações, fruto do nosso compromisso em manter a administração com responsabilidade.

Anuncio para amanhã o pagamento do décimo terceiro salário e o pagamento do abono a todos os nossos professores assim como o salário de dezembro antes das festas de final do ano, portanto ,dentro do mês trabalhado como fiz durante todo o meu mandato. Fica o procurador Geral do Município encarregado de coordenar e executar juntamente com os demais secretários municipais as medidas anunciadas.

Que Deus abençoe a todos e nos dê força e sabedoria para enfrentar esse tempo de crise.

Maria Teresa Trovão Murad
Prefeita de Coroatá