quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Secretário Max Barros lança edital para término de construção da MA-020


Acompanhado do secretário de Saúde Ricardo Murad e prefeita eleita Teresa Murad (PMDB), o secretário de Infraestrutura Max Barros visitou Coroatá, nesta quarta-feira, 24, e fez, por ordem da governadora Roseana Sarney, o lançamento do edital de licitação para o término, até final de 2013, da construção da MA-020, estrada que liga Coroatá ao município de Vargem Grande, no Leste maranhense.

Max Barros, que inspecionou trechos em obras, salientou que a governadora atendeu a pleito do secretário e deputado licenciado Ricardo Murad (PMDB) que esteve em audiência com Roseana Sarney, juntamente com a prefeita eleita de Coroatá, buscando a antecipação do processo licitatório para a estrada de 70 km ligando Coroatá a Vargem Grande. Em 26 de novembro será anunciada a empresa vencedora da licitação. Veja reportagem da TV Cidade (Record/Coroatá-MA)


Os recursos para a obra, segundo Max Barros, já estariam garantidos através do BNDES com validade para 2013. Disse que, por conta da solicitação, o Estado irá antecipar o processo por meio de recursos próprios.

Barros lamentou o infortúnio quando por duas vezes empresas contratadas chegaram a falhar compromisso de contrato, impedindo a efetiva concretização da pavimentação da MA-020 há muito tempo atrás.

Na primeira etapa, 20 km de asfalto já foram aplicados. Ao todo serão pavimentados 70 km. Agora três pontes estão sendo edificadas, nas proximidades do município coroataense, nos povoados Montenegro, Barragem e Poço Comprido.

O secretário de Saúde dirigiu-se ao povo agradecido pelos votos dedicados à Teresa. Ressaltando a atenção da governadora para com Coroatá e Região, Ricardo aposta na MA-020 com estrutura viária qualificada.

POÇOS – Sobre outra frente de trabalho que visa o abastecimento d’água potável às áreas mais carentes do Município, Ricardo noticiou que já está liberada a segunda etapa de perfuração de mais 10 poços artesianos para a Zona Rural de Coroatá, além dos serviços já em execução para a entrega dos 15 primeiros poços, totalizando 25 unidades.

Foi sinalizada a liberação de recursos para a construção de cacimbões em áreas mais isoladas. Neste caso, assim como em relação à segunda etapa de poços artesianos, a prefeita eleita é quem irá definir geograficamente os pontos de instalação dos novos sistemas de água.

PIRAPEMAS – Ao secretário de Infraestrutura, Ricardo e Teresa apontaram algumas necessidades da MA-332, estrada Coroatá a Pirapemas.

Manifestaram a intensão de recuperar provisoriamente as pontes de madeiras, com colocação de bueiros, ainda neste ano, antes do inverno. Desejam, para 2013, a solução definitiva para a MA-332.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Ricardo Murad determina a construção de vários poços artesianos em Coroatá

A exemplo do compromisso de construção da estrada de Vargem Grande, a MA-020, que segue em ritmo considerável com a edificação em concreto das pontes do Montenegro, Barragem e Poço Comprido, o secretário Ricardo Murad consagra a assertiva de que a vontade do Governo está acima de qualquer visão mesquinha ou de oportunismo eleitoreiro.

Fruto de um projeto de desenvolvimento regional, 15 poços artesianos, em uma primeira etapa, estão sendo perfurados em Coroatá. Ao contrário do que foi dito, durante as eleições, por políticos malfeitores, as obras são resultado de uma ação continuada, com expansão prevista para mais três etapas.

A primeira etapa em execução firma a perfuração de 15 poços. Esta ação abrange a Zona Urbana, atingindo a Vila Maranhense, no bairro da Mariol. O poço está concluído. Mais 14 poços estão na Zona Rural. Com poços já perfurados, foram contemplados os povoados: Km-9, Santo Ezídio, Eira, Boa Vista do Evaristo, Forquinha, São Luís do Bode, Mocambo, Mantinga, David e Pedras. (imagens TV Cidade)



A primeira comunidade beneficiada foi a do Km-9, no mês de setembro. Nesta comunidade ficou registrado o alcance social do Projeto da Secretaria de Estado da Saúde. Poucas famílias foram contempladas, fazendo valer o propósito humanizado do programa, que cobre áreas mesmo com número reduzido de habitantes. Trata-se de uma ação voltada para todos, aqueles mais humildes que sofrem com a escassez da água.

Todos os poços têm profundidade de 120 metros. Contam com transformadores de 15 KVA. Além dos poços, serão construídas redes de distribuição com caixas d’água para 15 mil litros. As caixas serão instaladas a uma altura de 08 metros.

Ao todo, a Saúde investirá cerca de R$ 3 milhões. Esta primeira etapa tem prazo de execução de 90 dias. Cinco máquinas encontram-se atualmente perfurando outros poços nos povoados: Santa Margarida, Garimpo, Maracajá e Jaqueira.




A construção dos poços é uma ação bem diferente do que fez a Administração Municipal. Gestão malsucedida que deixou muitos povoados sem o abastecimento d’água. Entre as vítimas, estão os moradores do Garimpo, Mocambo, Mantinga e Maracajá, que ficaram sem a conclusão dos poços da FUNASA.

A gestão Amovelista contou com recursos de mais de 1 milhão e meio de reais para a construção de mais de 15 poços e não o fez.


terça-feira, 23 de outubro de 2012

Teresa Murad, por ofício, busca relatório de situação administrativa municipal

Por Carlos Filho/Coroatá – Transcorrida a eleição e proclamados os eleitos pela Justiça Eleitoral, medida pertinente tomou a prefeita eleita de Coroatá Teresa Murad (PMDB). Seguindo o rito, após 10 dias de sua proclamação, a peemedebista encaminhou ao atual prefeito Luís da Amovelar expediente formal com o fim de tomar conhecimento oficial da situação administrativa municipal.

A ação da prefeita eleita foi tomada na última sexta-feira, dia 19. Teresa Murad, através de Assessoria Jurídica, quer tomar ciência dos sumários de investimentos dos últimos 4 anos. Foram requisitados a Lei Orgânica atualizada, o Estatuto dos Servidores, o Plano Diretor, Código Tributário, Código de Postura, PPA, LDO e LOA para 2013.

No expediente consta solicitação da relação das dívidas do Município por credor, com datas dos respectivos vencimentos, das medidas necessárias à regularização das contas junto ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) e da União (TCU), referentes a processos que se encontram pendentes. Também interessa a situação dos contratos com empresas concessionárias de serviços públicos. Na requisição está a relação dos contratos para execução de obras já em andamento ou apenas formalizados, com o que foi realizado e pago, bem como o que há para realizar e pagar.

Sobre transferências, Teresa Murad observa a importância sobre a transparência em relação a créditos da União e do Estado contidos em convênios.

Na esfera do funcionalismo público, também em consonância com o Art. 156 da Cosntituição Estadual e demais preceitos legais, faz-se urgente o fornecimento da relação dos servidores municipais efetivos e comissionados, com respectiva lotação e remuneração.

A prefeita eleita, segundo o Jurídico, deseja que não haja descontinuidade na gestão pública no âmbito das ações, projetos, serviços e programas em andamento.

Está escrito no ato da prefeita que o interesse público recomenda a instalação de Comissão Mista de Transição de Governo, tal como previsto para o Governo Federal, como estabelece a Lei nº 10.609/2002, regulamentada pelo Decreto 4.298/2002.

Membros do Tribunal de Contas do Estado visitam Prefeitura de Coroatá

Concomitantemente à avalanche de informações negativas a respeito da situação administrativa municipal, eis que aparece no centro de Coroatá sinais concretos de visita de representantes do Tribunal de Contas do Estado (TCE) junto à Prefeitura. Em plena Praça José Sarney, pelo menos, na tarde desta terça-feira, 23, duas viaturas do TCE encontravam-se estacionadas em frente à sede do Poder Executivo.

Não se tem notícias, ao menos oficial , sobre o trabalho do TCE em Coroatá. Tradicionalmente, o Tribunal executa habitualmente diligências investigativas. E não é para menos, pois, sobre a administração local o que mais a opinião pública tomou conhecimento, nos últimos oito anos, não se afasta um só milímetro daquilo que se conhece por ato de corrupção na máquina pública.

Ação Penal – De fato e de concreto, cita-se contra o atual prefeito, como ação mais contundente, a recente investida do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ). No início do ano, Amovelar fora surpreendido ao tomar conhecimento que teria de responder Ação Penal por não ter apresentado, dentro do prazo legal, ao TCE, a prestação de contas do exercício financeiro de 2009.

A 2ª Câmara Criminal do TJ recebeu denúncia do Ministério Público Estadual para instauração da Ação Penal. Embora a defesa tenha alegado entrega das contas mesmo com atraso de um mês, o prefeito foi considerado inadimplente. Cometera crime de responsabilidade. A Justiça entendeu que a questão é de moralidade administrativa, não de efeito econômico da prática.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Candidato derrotado metralha Justiça, promotores e polícia de Coroatá

DOMINGOS ALBERTO (PT) USOU MAL MÍDIA ALIADA CONTRA RESULTADO DE ELEIÇÃO. NA TV, MENOSPREZOU POVO, TAXOU ADVERSÁRIOS DE BANDIDOS, ATRIBUIU A FISCAIS A ORGANIZAÇÃO DE MILÍCIAS

Por Carlos Filho/Coroatá – É repugnante a manifestação do candidato derrotado, em sua primeira aparição pública depois das eleições. Atribuir a quase um terço da população coroataense a pecha de vendedor de voto traz à tona a assertiva de que o pleito fora, ao contrário, absolutamente a expressão da verdade, do desejo da maioria que concedeu a cadeira de prefeito à Teresa Murad (PMDB).

Por intuição e sabedoria, o povo percebeu que receberia de troco essa acusação infame do candidato petista e respondeu ao insulto.

Sabe-se que a abstenção tem sido um fenômeno universal. Ela se arrasta há longo tempo na maioria dos municípios brasileiros. O nível de abstenção no país chegou a 16,41% – Quiçá dada a pouca crença depositada às instituições políticas e aos maus políticos. A abstenção, no Maranhão, não foge a este quadro. Proporcionalmente, o Estado teve maior índice de abstenção, onde 19,62% dos eleitores não votaram.

Especificamente, Coroatá não é caso isolado, mesmo tendo a abstenção chegado ao índice de 26,60% – o correspondente a 12.060 eleitores faltosos, não muito diferente da ausência dos 8.906 eleitores em 2008. Em Codó o índice foi pior: 31,99% – o equivalente a 25.830 eleitores. Timbiras ficou à frente com 28,25% e Peritoró não se distanciou de Coroatá, chegou a 22,74%.

Insistente, o petista acusou até a classe política, acusou oponentes sem provar nada. Mesmo refutado por fontes ligadas à candidata peemedebista, fez acusações levianas, sem o menor escrúpulo. Nem durante campanha apresentou qualquer denúncia consubstanciada.

O petista foi cruel com alguns coroataenses que se dispuseram a ser simples fiscais da Coligação vencedora para o combate à corrupção eleitoral. Coroataenses foram taxados como membros de “milícia”. No entanto, batidas policiais deram flagrantes de porte de arma ilegal justamente em membros aliados do petista, da própria Guarda Municipal.

A falta de equilíbrio e senso político veio ao ápice, quando o petista resolveu metralhar a Justiça, o Ministério Público e também a Polícia. Enfaticamente, foi à beira da loucura. O petista “surtou”, chegou ao despautério de xingar os adversários.

Sobrou ao petista, à boca miúda, a adjetivação de asqueroso. Desqualificado, também pelo escrutínio da votação, a postura do rídico sobressaiu-se. O petista, considerando a sociedade ente ignorante, impôs o estupido cálculo de que os seus votos, de 14.095 eleitores, valeram mais do que os dos outros – os 16.314 de Teresa Murad.

O cume da ignorância veio também na tese de que 100% dos eleitores da sua adversária não acreditavam na vitória dela.

No programa da Prefeitura, o derrotado dissimuladamente ocultou a maldade de um carrasco fora da Lei, quando colocou a máscara de defensor do seu eleitorado e do povo coroataense. Ele, concomitantemente, executa com o seu grupo processos de demissões de servidores municipais.

Veja como o petista agrediu autoridades do Judiciário, do Ministério Público e da polícia de Coroatá:

Reportagem – TV Cidade

_________________________________________ 
SAIBA MAIS SOBRE COROATÁ

O grupo do petista, que administra a Prefeitura, realizou concurso, mas os aprovados em sua totalidade não foram chamados. A justificativa do concurso previa, em sua essência, a urgência de lotação nos cargos propostos. A crítica aponta para a suspeição de que, durante o processo eleitoral, todos teriam ficado como instrumentos de manobra em favor de um projeto partidário.

A administração acumula um cabedal de ações malfeitoras. Pouco cuidou da saúde da população. Nunca construiu um Matadouro Público. Não se importou com a distribuição, ao povo coroataense, de carnes contaminadas.

O grupo Amovelista, liderado pelo prefeito Luís da Amovelar (PT), prega, como bandeira de luta, a expressão “liberdade”. Mas, o povo e a oposição reclamam desta “liberdade”. É recorrente junto à opinião pública, que aquela liberdade tenha servido apenas para:

O enriquecimento incompatível de aliados;
A amnésia sobre a alternância de poder;
O golpe do Convênio 194 contra a padroeira de Coroatá;
O golpe do Show de Davi Sacer;
A não devolução da taxa do primeiro concurso;
Instrumentalizar a força bruta da Guarda Municipal contra sem-tetos do Aeroporto;
A inexecução dos poços da FUNASA/PAC-2009;
O corte do fornecimento d´água na periferia da Cidade;
O fornecimento demerenda com farinha seca e carne crua a estudantes da Zona Rural;
A ineficácia e péssimas condições do transporte escolar;
O relaxamento da regulamentação do trânsito;
A cidade esburacada;
O abandono das pontes e estradas.

A “liberdade” serviu apenas para hospedar os urubus que tomam de conta de Coroatá e serviu para o patrimônio público ficar abandonado.