domingo, 28 de agosto de 2016

Cadê o dinheiro, Ôh Amovelar

Nestas eleições, a falta de recursos, pelo menos neste primeiro momento de campanhas dos candidatos, não só em Coroatá, reflete a incomum e incipiente propaganda política, principalmente nas ruas, o espaço sempre muito concorrido, palco maior de “promessas” e compromissos públicos raramente efetivados. Mas, sabe-se que, diante da opinião pública, no imaginário do eleitor coroataense, há uma resposta lógica agora consumada. – A MÁ GESTÃO QUASE SEMPRE NO PODER EXECUTIVO SAGRA LASTIMAVELMENTE OS COFRES PÚBLICOS E, NO FINAL, ALGUÉM DEVE PAGAR A CONTA.

Por CARLOS FILHO/COROATÁ - Da parte que sempre envolve os maiores embates, o povo já tem uma robusta explicação. Pelo ao menos para a aparente escassez de dinheiro. Aquilo que não tem suprido os planos de uma liderança falida oposicionista em Coroatá, o ex-prefeito Luís Mendes Ferreira, o Luís da Amovelar (PT).

Longe de empunhar a bandeira da honestidade e de ser exemplo digno para quem quer que seja, acusações incontestes do Ministério Público Federal (MPF) e de sentenças irrecorríveis da Justiça Federal e do próprio Tribunal de Contas do Estado (TCE), que somam cifras a quase 10 milhões de reais, o fez, de fato, abandonar a audaciosa manobra de tentar criar o seu pequeno feudo. Sucumbiram sua própria candidatura, a de parentes íntimos em terras coroataenses e no município vizinho de Peritoró. O eleitor tem conhecimento disso e existem críticas contra os fantasmagóricos argumentos do Amovelar sobre os prejuízos da desastrosa inserção de Joana Mendes em Peritoró.

É de domínio público que a dura realidade, da famigerada corrupção, que também assola politicamente grande fatia dos integrantes do campo oposicionista, DO TAL G10 (seguidores de Flávio Dino), há muito já construíra a marca do sujeito corrupto, os Fichas Sujas. O perfil de Amovelar o desqualificou; todo aquele sonho de ser ovacionado de novo pelo povo veio à abaixo. Agora está claro! É o que se observa hoje no cenário local. O petista tem uma conta pesada sobre os ombros e perdeu a credibilidade junto ao povo e é isso o que se vê nas ruas.

A coisa está de mal a pior. E, pra completar, até o governador Flávio Dino, também preso a acusações de ilícitos, divulga que não teria dinheiro algum para campanha de ninguém. Enfim, ninguém também é bobo para não imaginar que a corrida da salvação deve se esbarrar sobre as garras da agiotagem. E, novamente, o povo irá, com certeza, pagar a conta!!!

Do outro lado, tem-se o grupo do líder peemedebista Ricardo Murad que, desta vez, não tem o costumeiro apoio político de forças governamentais do Estado. O grupo, também sem esboçar volume de campanha, enfrenta dificuldades naturais, advindas da crise econômica. Os Murad contam, contudo, com uma gestão de contas aprovadas até então. Há compromisso firme e de destaque com os fornecedores e funcionalismo público, com pagamentos em dia, comportamento jamais visto na Administração do Amovelar.

SAIBA MAIS SOBRE O CORRUPTO AMOVELAR:

Ex-prefeito de Coroatá é condenado a devolver mais de R$ 1 milhão

Oposição, em Coroatá, sacramenta a sua marca de gestão mais corrupta da história

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Transparência total

Com a devida ordem do exercício do Poder Executivo e como manda a Legislação à rigor, a Administração Municipal, em Coroatá, divulgou convite de Audiência Pública (AP) para apresentação do Orçamento Participativo da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e da Lei de Orçamento Anual 2017 (LOA). A AP ocorrerá no próximo dia 30, às 16:00h, na Câmara de Vereadores.

A medida, que embora siga a praxe administrativa, é ato raro de se ver na maioria dos municípios maranhenses, que não prestam contas com a população.

Em Coroatá, a Prefeitura tem costumeiramente convocado inúmeras audiências com o povo, demonstrando transparência de seus atos. Na última AP, a Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão fez a Demonstração do Cumprimento de Metas Fiscais, relativo ao primeiro quadrimestre do exercício de 2016. A audiência aconteceu em maio e foram demostradas todas as aplicações dos recursos do Município.